Dicas para uma boa apresentação

Existem dois tipos de apresentações: a certa e a errada Veja em qual caminho você está.

Seja para apresentar uma ideia, projeto, produto ou sua própria empresa, chega um momento em que você se depara com um dos maiores desafios do mundo corporativo, que é o de transmitir sua mensagem de forma clara e precisa.

Uma boa e decisiva apresentação não surge do nada. É necessário reunir uma série de itens para criar algo realmente relevante, tanto para quem irá apresentar quanto para quem está disponibilizando seu tempo para ouvir.

Pensando nesse desafio diário, reunimos algumas dicas preciosas para quem quer ter ainda mais sucesso em suas apresentações. Para isso, consultamos o diretor de criação da Ideale, Edú Magiapane, com 30 anos de experiência em design, para listar os pontos mais fundamentais.

  1. Defina o conteúdo e o design

Esses dois são indispensáveis em qualquer tipo de apresentação. Primeiro é necessário entender o assunto, qual sua relevância e, o mais importante, o público-alvo. Em paralelo, precisamos definir o projeto gráfico, entender a “cara da empresa”, produto ou projeto, verificar se existe um brandbook a ser utilizado e criar todos os elementos necessários para a apresentação.

O grande trabalho está em definir a linha de apresentação, semelhante ao roteiro de um filme, com início, trajetória e final. Essa linha não é nada menos que uma sequência de etapas em que as informações serão apresentadas. Por isso, tenha sempre em mente qual é o objetivo da sua apresentação e quais são as dúvidas que você precisa esclarecer ao seu público.

  1. Menos é mais

Tenha consciência de que a menor quantidade de texto possível é a fórmula ideal. É preciso sempre lembrar que uma apresentação eficaz deve ser acompanhada por seu interlocutor, seja ele o presidente da empresa, um instrutor ou alguém que foi “escalado de última hora” para falar sobre um assunto.

Uma boa apresentação deve servir como “pano de fundo” para esse interlocutor. Ela deve ser utilizada como ferramenta visual para o entendimento do público e não simplesmente como um documento onde constam todas as informações. É simplesmente impossível (e muito chato) ler um grande texto com fonte pequena em uma tela. Algo a ser levado em conta é que, se a informação não for importante, ela não precisa estar na apresentação.

Um bom teste para uma boa apresentação é visualizá-la na tela de um smartphone. Se estiver legível, você está no caminho certo.

  1. Fique ligado

Não existem tendências de apresentações, existe o jeito certo e o errado de se apresentar algo. A forma certa é quando o público entende o que se apresentou e parte para a próxima etapa, seja ela um novo jeito de trabalhar, entender um novo produto ou até mesmo aumentar o número de vendas em relação ao mês anterior.

A errada é quando simplesmente o público não entendeu o que deveria ser feito, para que serve o produto ou simplesmente não viu os mesmos valores que o interlocutor tentou transmitir na apresentação.

Como dito anteriormente, não existem tendências no jeito de apresentar. Mas, existem sim, tendências que podemos seguir no projeto gráfico.

 

Fique atento ao dia a dia, no design de produtos, na propaganda, no novo videoclipe de um artista de sucesso. Essas tendências são alternadas constantemente, o que é comum nas artes e seus meios, seja na moda, design de interiores e na arquitetura, que são bases que acabam ditando as tendências no design gráfico.

Inspire-se, sempre.

  1. Use o Powerpoint

A apresentação não deve ter a “cara do software”, tem que ter um projeto gráfico. É o mesmo princípio de uma revista ou um folder.

Então, devemos criar o projeto gráfico em qualquer software voltado para o design gráfico e, só no final, transferir os elementos para o Powerpoint. Esse segundo ambiente deve ser utilizado apenas para unir os elementos e aplicar as animações.

O Powerpoint deve ser obrigatório sim. Vale se certificar que o computador em que a apresentação deverá ser feita esteja com a versão equivalente a que ela foi criada (isso costuma causar um problema de compatibilidade).

Existem vários outros softwares feitos para apresentações. A não ser que o seu cliente seja a Apple (que utiliza o Keynote), 99% das empresas utilizam o Microsoft Power Point. Não tem como fugir.

Com essas dicas você consegue identificar se as suas apresentações estão no caminho certo. Caso precise de uma ajuda profissional, entre em contato com nosso time de especialistas.

Leave a Reply

Your email address will not be published.